Existe um remédio eficaz contra a refação!

Acredite!  Você pode eliminar ou reduzir muito o faz e refaz, característica comum, especialmente, nas etapas de estudo preliminar, anteprojeto e até no projeto executivo.

Programa de necessidades arquitete suas ideias

Enquete informal realizada junto a diferentes escritórios de Arquitetura e Design de Interiores mostra que o processo de briefing, ou levantamento de necessidades, é feito de maneira informal. Aí reside o problema ou a grande fonte indutora da refação, tão comum no dia-a-dia dos escritórios. Para combater esse mal o remédio é adotar um procedimento formalizado e organizado denominado Programa de Necessidades.

Composto de 5 Etapas, o Programa de Necessidades está estruturado da seguinte forma:

1. Objetivos
2. Fatos
3. Conceitos
4. Necessidades
5. Problema

A estratégia é esgotar na fase do Programa de Necessidades* 80% do equacionamento do desafio que o profissional terá quando for desenhar a solução para o Problema do Cliente. Ao contrário do que é feito hoje quando a falta de dados aprofundados faz do desenho um processo de tentativa e erro, conduzindo ao fazer e refazer constante.

Aqui estå um resumo dos 5 passos para conduzir um bom Programa de Necessidades.

1. Objetivos: O que cliente quer atingir e por que? Você precisa compreender quais são os Desejos, Aspirações, Propósitos, Práticas, Convenções, Crenças e Processos associados ao cliente (usuários).

 2. Fatos: O que sabemos? O que existe? Aqui são explorados aspectos associados ao terreno (ou imóvel), as condições físicas e climáticas, aspectos legais; questões ligadas à estética, segurança etc. E, ainda, as características dos usuários: quantidade, perfil, comportamento (antropologia) e projeções futuras (crescimento, envelhecimento).

3. Conceitos: Como o cliente quer atingir os objetivos? Neste capítulo vão ser determinadas as prioridades, estabelecidas as hierarquias, definida a densidade de ocupação dos espaços, bem como, compreendidos os relacionamentos existentes entre os usuários, as necessidades de flexibilidade das soluções, os custos emos prazos, entre outros itens.

4. Necessidades: Quanto de recursos financeiros o cliente dispõe? Quanto espaço precisa? Qual o nível de qualidade da edificação e dos acabamentos?

5. Problema: Quais são as condições significativas que afetam o design? Que direções gerais o design deve seguir? Que requisitos de desempenho são relevantes? Quais são as implicações do design a longo prazo?

Comente aqui se você já teve dores de cabeça com clientes e qual é o pior tipo de refação em um projeto!

Texto de Ricardo J. Botelho em adforum.com.br

Anúncios

3 responses to “Existe um remédio eficaz contra a refação!

  1. Pingback: A delicada relação entre o arquiteto e seu cliente – Parte 3 de 3 | Arquitete suas Ideias·

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s